Back To Top

Apostila - O Obreiro E seus Deveres - Unção com Azeite

 

UNÇÃO COM AZEITE

 

O azeite (óleo) extraído da azeitona (oliva), fruto da Oliveira foi muito usado nas cerimônias, como também na alimentação e na medicina. Segundo a lei o azeite era usado para a Unção de Santuários, seus pertences, Unção de pessoas de Sacerdotes, Profetas e Reis.

 

Unção de Pessoas a Serem Consagradas

Lv 08:30 – I Sm 10:01 – 16:13 – I reis 01:39 – 19:16 – Ii reis 09:03 – 11:12 – 23:30

 

I – Unção de Reis

Homens escolhidos para governar nações, I Sm 10:01 – 16:11-13 – I Rs 19:15

 

 

II – Unção de Profetas

Homens chamados e inspirados por Deus a fim de entregar a sua mensagem de maneira particular a eventos futuros I Rs 19:16.

 

 

III – Unção de Sacerdotes

Homens separados para deveres religiosos, que atuassem como mediadores entre Deus e os homens que oferecesse sacrifícios e realizasse outras funções relacionadas com adoração Ex 40:15.

 

IV - Unção do Santuário e Pertences

Ex 40:09-11

 

V – Unção de Objetos Separados para o uso Sagrado

Ex 29:36 – 30:26 – Lv 08:10-12 – Num 07:01

 

Azeite como Alimento

 

Para a manutenção do Sacerdote Nm 18:12

Para as ofertas Ex 29:23-25

Para Luminárias Ex 27:20 – Nm 18:12

Referências Gerais de Aplicação do Azeite ao Corpo

Rt 03:03 – Sl 91:10 – Ec 09:08 – Is 57:09 – Am 06:06

                     Podemos observar como era necessário no passado o uso de azeite para santificar locais, pertences e outros. Os Reis, Profetas e Sacerdotes precisavam da unção com óleo para ter uma vida consagrada, eles não receberam o Espírito Santo da maneira que nos recebemos, viveram em uma outra dispensação.

                      Nos dias de hoje usamos o azeite para ungir pessoas enfermas, como também para ungir pessoas a um Ministério, não precisamos da unção com óleo para santificação, isto acontece mediante a vida que levamos diante de Deus, visto que conhecemos irmãos (ãs) que não receberam a unção, porém são verdadeiros instrumentos de Deus em suas mãos.

                     Podemos observar que no Novo Testamento a unção com azeite aparece poucas vezes e algumas delas são:

 

Para a unção de enfermos – Mc 06:13

Unção como medicamentos – Tg 05:14

Deu ma forma figurada – II Co 01:21 – I Jô 02:20-27

                    

                     Podemos concluir que, baseado em Mc 06:13 é possível ministrar a unção com óleo para cura de enfermos, independente de serem crentes ou não, pois a palavra de Deus neste texto deixa claro que eles eram libertos dos demônios e depois ungidos e curados de suas enfermidades, entendemos e está claro que estas pessoas não eram crentes.

                     Porém a unção deve ser feita em nome da Santa trindade e ministrada apenas na fronte das pessoas, não podemos ungir e nem colocar a mão no local da enfermidade, á imposição de mãos sobre as pessoas é uma ordem de Deus para quem crer na libertação de todas as coisas, porém quem cura o enfermo é a oração de fé Tg 05:14.

                      Este trabalho de unção é concedido apenas aos Presbíteros, Evangelistas, Pastores e Missionários não podendo os Diáconos ou mulheres realizar este trabalho. A unção nunca deve ser feita por hábito ou costume e sim quando sentir de Deus, o momento, porém deve ser feito com muita fé no coração.

 

Como o Dirigente deve se conduzir quando a Igreja estiver se ausentando dos Cultos

 

           Neste momento não importa muito o que ocasionou a ausência dos irmãos, o que importa é o nosso empenho em apresentar um bom trabalho, para que todos se alegrem e levem a notícia aos que se ausentaram para que se sintam-se interessados em estar presente no próximo culto.

              Situações como esta deve nos levar a dirigir o trabalho com mais entusiasmo, embora sabemos que não é fácil, e se estivermos sem os grupos de apoio temos que preencher estes espaços, e procurar não citar as ausências e sim valorizar os que estão presentes e agradecer a Deus por suas vidas. Ser em breve em tudo o que for apresentado, e observar como a Igreja se comporta procurando dar as oportunidades que sejam adequadas para o momento.

              Nunca mostrar-se desanimado, pois poderão achar que o trabalho está desta forma por culpa da direção. Pois sabemos que todo trabalho mal dirigido, ausenta algumas pessoas, visto que todos vêem para se alegrar e sem uma boa direção e motivação espiritual termina por enfadar e não alegrar o auditório.

              Em todos os Cultos devemos observar quem está ausente para podermos conduzir o trabalho de acordo. Ex: Conjunto, mocidade (JUBRAC), união de senhoras (UFEBRAC), obreiros (UMASBRAC), crianças (MENIBRAC), adolescentes (ADOBRAC), etc. São grupos que quando ausentes fazem muita falta e a Igreja sente, por isso, temos que saber preencher essas ausências para obtermos êxito e o Culto neste dia ser uma benção.

 

DEPARTAMENTOS

            Quanto aos grupos, UFEBRAC, JUBRAC, Escola Bíblica,MENIBRAC, conjunto, UMASBRAC, e outros deve haver a filosofia de estar sempre reunidos, orientando principalmente quem está na liderança, o líder precisa olhar pela ótica do dirigente, precisa estar em sintonia com a direção do trabalho quanto toda a organização da Igreja. Os Cultos dirigidos por estes grupos não podem ser dirigidos para agradar alguém, ou algum grupo familiar, todo o trabalho deve ser dirigido a agradar a Igreja como um todo, por isso a pessoa deve ser instruída e também preparada.

*Anexo “NORMAS PARA O MINISTÉRIO DE LOUVOR”

Exemplos de Cultos Mal Dirigidos

 

  • Cantar hinos da harpa na abertura com a Igreja em pé
  • Convidar as irmãs ou a mocidade para cantar e tirar a oferta ao mesmo tempo
  • · Cantar corinhos com palmas ou em pé  e ofertar
  • Apresentar os convidados um a um e repetir as mesmas coisas muitas vezes.
  • Dar a oportunidade a alguém que não conhece, mesmo sendo Obreiro, o risco existe de não agradar por várias razões que já conhecemos.
  • Não perceber se a Igreja está triste ou alegre, espiritual ou não para poder transmitir o necessário.
  • · Não preparar a Igreja para a mensagem o que é muito importante para a recepção da palavra.
  • · Não usar o microfone adequadamente e não se posicionar de acordo, gritar demasiadamente etc...
  • Ficar escolhendo de ultima hora quem vai cantar no ofertório, quem vai ministrar a oferta,quem vai dar a palavra inicial, quem vai pregar, o que vão cantar.....

 

Todos os itens e outros não mencionados são importante observarmos para não cometermos tais erros e também orientar aos que nos auxiliam para não cometerem erros assim.

 

 

 

EQUIPES / TRABALHO

 

                     Todas as Igrejas fazem este tipo de trabalho com várias finalidades, tais como,compra de  terreno, bancos, cortina, instrumentos , decoração etc... Devemos observar as circunstâncias para não sermos mal compreendido pelos irmãos e não constranger ninguém em função das dificuldades financeiras.

 

ANIVERSÁRIO

 

                     Quando do dirigente, a esposa junto aos obreiros local promove uma festa com a Igreja local, fazendo uma lista com irmãos da própria congregação ,para compra do presente, no dia em que for realizada a festa a esposa do dirigente deverá comunicar a data do culto ao pastor presidente que enviará um representante em nome de todos os pastores para homenagear o dirigente. Quanto aos demais irmãos e obreiros, podemos lembrar de seu aniversário, porém não temos como homenagear todos.

SOCIAL

         Todo o trabalho social é importante, porém devemos ser criteriosos com aqueles que sempre querem tirar proveito, ás vezes nunca dizimam ou ofertam, só querem explorar a Igreja. Quanto ás necessidades de auxílio devemos sempre pedir a Igreja em campanhas, seja do kilo como de outras necessidades, nunca se ajuda abrindo mão de valores em dinheiro, porém a casos delicados que dependendo da família, a própria Igreja local promove a ajuda necessária, porém sempre levando o conhecimento do dirigente nunca permitindo que irmãos façam listas um a outro, este controle deve estar na mão do dirigente e da esposa.

            Quanto á doação de cestas básicas, a própria irmã responsável, por este trabalho saberá agir e fazer as doações necessárias.

Obs: Em todos os departamentos deve existir duas pessoas responsáveis, por cada trabalho, sempre na coordenação de sua líder. Devemos sempre ter uma liderança FUNCIONAL.

SEPARAÇÃO DE OBREIROS E DIACONIZAS

 

                     Para separação de Diáconos , Diaconizas e Presbíteros são necessários alguns requisitos tal como: devem ser casados, fiéis, com sua Igreja e principalmente nos dízimos, batizados com o Espírito Santo e de bom testemunho com a sociedade em seus negócios e em sua vida social, o obreiro deve ser um modelo para a Igreja.

                     Quando da separação ou consagração recebê-los na Igreja no Culto á noite. Se tratando de obreiros que vem de outra denominação, estes devem ser observados e avaliados antes de recebê-los na Igreja em definitivo, depois ser recebido e apresentado em reunião de obreiros para que possa ser recebido como obreiro da obra. No caso de presbítero e pastor deverá fazer  o curso de um ano de filiação para depois ser recebido.

                

FINANÇAS

 

                     Todo o trabalho é voltado para um fechamento mensal e um caixa único, este trabalho é feito através de planilhas individuais para cada Igreja. Por trabalharmos com um caixa central e único, temos que ser cuidadosos e nunca devemos usar o dinheiro da ficha para despesas gerais, ou usar sem critérios as Igrejas que são alugadas, como as de templo próprio, tem as seguintes despesas luz, água, telefone, ajuda de combustível para o dirigente, IPTU e algumas outras despesas gerais que é normal.

Obs: todas as despesas que a congregação tiver deve ser comprovadas mediante nota fiscal (com dados da sede) ou recibos.

                     Quando a congregação precisar comprar ventilador, instrumentos ou precisar fazer outro investimento que tem expressão monetária, deve ser comunicado, para ver se é possível, pois contamos com os rendimentos das Igrejas, para administrar a obra, pois além das despesas gerais da obra, temos também, dízimos da convenção Projetos do conselho e outros, que são centralizados em uma contabilidade geral da Igreja.

                     Uma Igreja bem ensinada na palavra de Deus, alegre e abençoada é uma Igreja próspera o resultado é notado em suas finanças. Uma congregação que nunca sai do negativo que não prospera algo está errado.

 

Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.

Apoc. 3:20